domingo, 21 de outubro de 2012

Coleccção "Biblioteca Básica Verbo - Livros RTP"

Em 1970, em colaboração com a RTP, a "Editorial Verbo" lança a "Biblioteca Básica Verbo - Livros RTP" , uma colecção de livros de bolso. A ideia surge de uma experiência idêntica que se havia realizado, com grande sucesso, em Espanha, com a televisão espanhola e uma editora madrilena. 
O então Presidente da Direcção da RTP, depois de uma viagem a Espanha, vem muito entusiasmado com a ideia e é dirigido um convite à Verbo para ser a editora portuguesa a participar neste projecto. Tratava-se de uma acção completamente inovadora no mercado português, da qual jamais, na altura, se teve noção da dimensão que o empreendimento iria tomar e na qual todos os detalhes foram cuidadosamente trabalhados.
Foram estudados incansavelmente cada um dos 100 títulos a incluir; a periodicidade, acabando por se optar pela semanal; o papel a utilizar nos livros; a cartolina das capas; o tipo de letra; o formato do livro; o grafismo das capas (da autoria de Sebastião Rodrigues, o pai do design gráfico português) e a distribuição. Também na distribuição este projecto se revelou extremamente inovador.
Montou-se uma rede de distribuição inédita, com 3500 pontos de (note-se que então o número de livrarias registadas não ultrapassava o 600), para o abastecimento dos quais a "Editorial Verbo" teve que reforçar a sua frota de transporte com oito novos furgões. O nosso slogan interno foi que tínhamos que ter um ponto de venda, devidamente abastecido, junto de cada televisor existente em Portugal. 
No fundo, o que se fez foi vender livros em locais onde tal nunca tinha acontecido antes, tais como quiosque e tabacarias, muito à semelhança das novas tendências do mercado . Também toda a publicidade a fazer na televisão e que era da responsabilidade da RTP, foi connosco discutida, estudada, realizada e programada. 
A "Editorial Verbo" previu quase tudo pensado que tinha previsto tudo e imprimiu 50.000 exemplares dos dois primeiros volumes (o segundo livro era oferecido na compra do primeiro). O que não previa era que esses 50.000 exemplares se iriam esgotar na própria manhã do dia do lançamento, 6 de Novembro de 1970, e que as pessoas os disputariam a murro nos armazéns da editora, a ponto de impedirem a entrada a um dos administradores da Verbo, porque as centenas de homens e mulheres que formavam fila para serem abastecidos pensaram que ele lhes ia passar à frente e tirar o lugar!  
Dos dois primeiros volumes - a novela "Maria Moisés" , de Camilo Castelo Branco, e "100 Obras Primas da Pintura Europeia" acabaram por se imprimir, à lufa-lufa, e vender 230.000 exemplares de cada. Em Outubro de 1972, do 100º título, "Os Lusíadas" , ainda se venderam mais de 100.000 exemplares. Ao todo, durante aquelas cem semana, foram colocados em casa dos portugueses, ao preço de 15 escudos cada, mais de 15 milhões de livros, num país maioritariamente iletrado.   

2 comentários:

nêspera disse...

Olha os livros RTP! Foram-me oferecidos...
Tenho-os empacotados à espera de espaço por aqui. Ainda tenho uma parede(zinha), mas falta-me a estante. ;)

Bjis :)

Joao Couto disse...

Adorei e registei! :)