domingo, 14 de maio de 2017

“Terra(s) de Sefarad” apresentado à Comunicação Social

O maior evento da cultura judaico-Sefardita alguma vez organizado em Portugal trará a Bragança, entre os dias 15 e 18 de junho, um congresso, exposições, um ciclo de cinema e a artista israelita Yasmin Levy.
Depois da inauguração da exposição “Herança, Vivências e Património Judaico em Portugal”, decorreu, também no Centro Cultural Municipal Adriano Moreira, a apresentação de “Terra(s) de Sefarad – Encontros de Culturas Judaico-Sefardita”.

Este evento internacional, que irá decorrer em Bragança entre os dias 15 e 18 de junho, promete ser o maior acontecimento anual em Portugal entre o povo judaico. Farão parte do cartaz várias exposições, uma mostra de cinema, um congresso no qual participarão duas dezenas de oradores convidados, nacionais e estrangeiros, todos peritos na cultura judaico-sefardita, e para terminar, no último dia, um concerto no Castelo de Bragança com a cantora e artista israelita, Yasmin Levy.

“Terras de Sefarad é um evento que tem essa dimensão histórica, esse olhar para o passado, mas é um evento que está muito centrado, também, na parte das vivências e na parte da cultura. Portanto, as outras exposições que terão lugar terão muito a ver com arte, com cultura, teremos, também, um ciclo de cinema, teremos a parte musical com a Yasmin Levy e o congresso”, noticiou o curador da exposição e investigador da Cátedra de Estudos Sefarditas “Alberto Benveniste”, Paulo Mendes Pinto, que defende que Bragança, até ao século XV, era um dos principais centros judaicos.

Também para o responsável nacional pelo projeto Rotas de Sefarad, este é, “provavelmente, o maior evento jamais feito em Portugal e é um primeiro passo e exemplo para as autarquias a nível nacional”. “Em nome da Rede de Judiarias, tenho, primeiro, de dar os parabéns à Câmara Municipal de Bragança e ao seu presidente pela forma como se tem empenhado nesta temática judaica e, portanto, pertencendo à Rede de Judiarias de Portugal, o município de Bragança tem sido dos mais ativos na divulgação e na afirmação da nossa identidade judaica portuguesa que, efetivamente, tem ecos fora do país, em Israel, onde nós estamos presentes todos os anos na Feira de Turismo e que este ano apresentámos este evento lá, juntamente com a câmara de Bragança e é de estarmos muito contentes com isso”, exprimiu o, ainda, representante da Rede de Judiarias de Portugal, Marco Baptista.

“A comida kosher, obviamente, tem regras. Mas, no fundo, é uma comida saudável”, Marco Baptista

Respondendo aos elogios e aos agradecimentos feitos pelos membros e responsáveis da cultura judaico-sefardita presentes na apresentação do evento, o edil brigantino exprimiu que “o município não deixa de fazer o que estiver ao seu alcance para conseguir promover esta temática”. “De facto, nós temos um historial muito rico no que à cultura sefardita diz respeito e logicamente que é importante darmos a conhecer aquilo que aconteceu ao longo da história para que possamos agir de forma diferente, aprender com os nossos erros e corrigir alguma coisa”, expôs Hernâni Dias, para quem, “Terra(s) de Sefarad”, “pela variedade de atividades”, “será um excelente evento de âmbito cultural e ainda bem que acontece em Bragança”.

Na opinião do presidente da Câmara Municipal de Bragança, principal entidade organizadora da iniciativa, “Terra(s) de Sefarad” poderá trazer muitos benefícios, quer a nível turístico, quer a nível económico. “Entendemos que sob o ponto de vista turístico pode representar um potencial importante, mas, também, do ponto de vista do investimento económico porque sabemos todos que a comunidade judaica é tendencialmente rica e não sabemos se amanhã não poderemos vir a captar investimentos para o nosso território”, manifestou o autarca, “até porque é sabido que hoje se promove muito a dupla nacionalidade e estes descendentes dos judeus podem vir a tê-la, sendo que isso seria excelente para Bragança, que pudéssemos ter aqui mais pessoas, que desenvolvessem aqui os seus investimentos e, no fundo, um retorno que acaba por ser quase imediato, a nível turístico”.

Depois do Centro de Interpretação da Cultura Sefardita do Nordeste Transmontano, encontra-se, ainda, em construção o Memorial e Centro de Documentação – Bragança Sefardita, obra que Hernâni Dias promete estar concluída antes do “Terras de Sefarad”.   

“O município tem tido essa preocupação com a construção de dois equipamentos ligados à temática da cultura sefardita e este evento é o seguimento deste investimento que tem vindo a ser feito”, afiançou o edil brigantino, que acredita “que estes equipamentos e o congresso virão a dar um contributo muito importante para que continuemos a crescer turisticamente como temos vindo a crescer”.

Depois de apresentado “Terra(s) de Sefarad” – Encontros de Culturas Judaico-Sefardita, seguiu-se um jantar Kosher no restaurante Geadas, confecionado pelo próprio Rabino de Belmonte.

Bruno Mateus Filena
in:diariodetrasosmontes.com

Sem comentários: