quinta-feira, 31 de agosto de 2017

População de Picote quer medidas preventivas depois de fogo que veio de Espanha ter cercado aldeia no Parque do Douro Internacional

Autarcas, associações e população de Picote, no concelho de Miranda do Douro, reclamam medidas preventivas e não restritivas para evitar incêndios de grandes dimensões na área protegida do Parque Natural do Douro Internacional (PNDI), depois do incêndio que assustou aquela zona durante o fim de semana.
O coro de protestos ganhou outra dimensão após o incêndio que deflagrou no sábado em pleno PNDI e que deixou marcas profundas no ecossistema, na agricultura e na paisagem daquele território.

"Só restam as cinzas. É muito desolador ver que a paisagem sofreu muito com a investida das chamas um pouco por todas as arribas do Douro, quer do lado português, que do lado espanhol", contou um dos moradores de Picote.

Diogo Rodrigues admitiu mesmo ter ficado “desolado” quando se aproximou da zona do miradouro da Fraga do Puio e viu oliveiras centenárias devastadas pelas chamas e uma paisagem protegida “pintada de negro”.

Junto a um dos cafés da aldeia trasmontana, a conversa convergia em torno dos maus momentos vividos pela população do Barrocal do Douro, que chegou a ficar isolada, e pela perda de um valor natural tão importante na região do Douro Internacional, como é a paisagem do PNDI, ouvindo-se também críticas à falta de uma ação concertada para ordenar aquele território protegido.

Alzira Ferreira, habitante em Picote, lembrou como “gostava de olhar para aquela paisagem do miradouro do Puio”, lamentando como “agora ficou uma ferida muito grande na paisagem".

Francisco Pinto
in:mdb.pt

Sem comentários: